Curso de Charuto - 1 - A história do charuto
por Cesar Adames

O princípio de tudo

O descobrimento da Nicotiana Tabacum pelos europeus coincide com o descobrimento da América, os índios americanos já conheciam seus milagres. Essencial na medicina, imprescindível em cerimônias religiosas e militares, complemento alimentar de qualidade e um alucinógeno para lá de eficiente, o tabaco ainda teria muitos papéis a cumprir. Aqui, na longínqua, pouco civilizada e nada habitável América, na opinião dos europeus é claro, essa planta já não podia faltar. Conta-se que os índios da região caribenha, os taínos, fumavam folhas de tabaco entrelaçadas há mais de dois mil anos.
Os astecas, membros da civilização antiga do México, consideravam o sumo das folhas do tabaco um antídoto insuperável contra o veneno das cobras. Os maias, povo indígena de vários países da América Central, até mesmo do México, lhe atribuíam poderes milagrosos e costumavam oferecer aos deuses a primeira colheita do tabaco para atrair a chuva. No Brasil, os índios aracujás ingeriam as folhas misturadas com outros alimentos. Os winnebagos, aborígines norte-americanos, o consideravam um presente dos deuses ao primeiro dos seres humanos. E nativos do Amazonas iniciavam seus jovens no mundo adulto fazendo-os aspirar o aromático fumo.
Quando, no domingo de 28 de outubro de 1492, Cristóvão Colombo aportou na baía de Bariay, ao norte da atual província cubana de Holguín, a história do tabaco começou a mudar. Ao desembarcar em Playa Blanca, dois jovens marinheiros da esquadra espanhola, Rodrigo de Jerez e Luiz de Torres, foram escolhidos para dar os primeiros passos na nova terra. A missão era encontrar ouro.
O objetivo inicial não foi cumprido naquele breve passeio. Mas os dois exploradores foram os primeiros europeus a fumar o que se conhece por charuto. Colombo registrou em seu diário (na terça feira 6 de novembro do mesmo ano), enquanto voltava à Europa, que sua tripulação “encontrou muito gente que atravessava o povoado; mulheres e homens, com um tição entre as mãos e ervas para tomar a defumação à qual estavam acostumados.”
Jerez levou folhas de tabaco para Ayamnte, na Espanha, sua cidade natal. O entusiasmo do marinheiro ao mostrar a familiares e amigos como se fumava um charuto custou caro. Na primeira baforada foi acusado de estar possuído pelo demônio. O poder da igreja européia no século XV e a falta de misericórdia da Santa Inquisição fizeram com que ele fosse julgado por heresia e condenado a anos de prisão.

Os espanhóis foram os primeiros a conhecer o desprazer do tabaco. Em 1586, o rei Felipe II ordenou que as folhas de tabaco fossem queimadas em praça pública por serem prejudiciais ao corpo e ao espírito, além de contrariar as regras cristãs impostas pela igreja e controladas, sem dó nem piedade, pela Inquisição. O rei também puniu, com chicotadas, os que cultivavam e vendiam o tabaco. O pior castigo foi enviá-los às colônias americanas. Porém, segundo pesquisas históricas,os espanhóis que moravam em Cuba cultivavam o tabaco desde 1520

A perseguição ao fumo, que superava em muito as punições antitabagistas aplicadas hoje, alcançou a Pérsia, o Japão, a Turquia e a Rússia. A primeira medida do reinado do xá persa Abbas-Sofi, em 1590, foi condenar à morte aqueles que utilizavam o tabaco par qualquer fim. No Japão do século XVII, o shogum de Tokugawa determinou 50 dias de prisão para os fumantes, além de confiscar todos os seus bens.
O sultão Amurates, da Turquia, foi ainda mais severo: ao assumir o trono em 1622, ordenou que os charuteiros tivessem as orelhas e a ponta do nariz cortado. Na Rússia, o czar Aléxis obrigou os fumantes a realizar trabalhos forçados na Sibéria. Os castigos variavam da tortura à pena de morte.
Nessa mesma época, o cientista alemão Johan Neander publicou um estudo sobre os efeitos terapêuticos do tabaco. A descoberta do uso medicinal da planta pela quais tantos morreram começou a reverter à tragédia que atravessaram fronteiras.

O tabaco passou da rejeição à adoração em pouco tempo. Catarina de Médici, rainha da França entre 1519 e 1589, recebeu de seu embaixador em Portugal, um punhado de folhas de tabaco de presente. As folhas entregues por Jean Nicot logo viraram pó e serviram para combater as freqüentes e intermináveis enxaquecas da rainha. A homenagem foi imediata, Jean Nicot emprestou seu nome à planta, batizada de Nicotiana Tabacum.

A primeira fábrica cubana de charutos foi inaugurada em 1810. No fim do século XIX, a ilha possuía 1320 produtores com marcas próprias. Não demorou para que o ofício de tabaqueiro chegasse a países vizinhos, como Costa Rica, Jamaica, Republica Dominicana, México e até o Brasil, mas isto já é uma outra história.

 

 

 
  Newsletter
Cadastre-se e receba nossas
novidades em seu email.
Nome:
Email:


 
     
  Charutos Personalizados
Comemore o nascimento de seu filho, casamento ou uma conquista de sua empresa com charutos personalizados.



 
     
   Telefones:  (11) 5096-2494 / 5041-1596
  © Copyright Charutos e Bebidas. Todos os direitos reservados.
  Qualquer reprodução deste material deverá ser feita com autorização.